NOVIDADES:
BRASIL

A POSIÇÃO CERTA PARA DORMIR MELHOR

COMPARTILHE

Milhões de pessoas têm problemas para dormir. As razões por trás deste fato são muitas. Estresse, ansiedade, e até mesmo um colchão velho. Além destas razões, ainda existe a azia. A maioria das pessoas acredita que o alimento seja a principal causa da azia e da indigestão, o que está correto. Todavia, você sabia que o “modo” como dormimos pode também estimular os sintomas da azia?

É verdade. Estudos mostram que certas posições podem desencadear a intensificação da azia e da indigestão. Sob este aspecto, as razões são teóricas. Contudo, certas evidências sinalizam que a força da gravidade exerce seu papel. Deitar de costas, por exemplo, pode aumentar a probabilidade de que o conteúdo do estômago, que contém ácido, reflua para o esôfago.

Dormindo de costas

Dormindo do lado direito

Há também a questão do lado sobre o qual você tende a se deitar. Embora a razão não esteja clara, deitar sobre o seu lado direito, ou POSIÇÃO DE DECÚBITO LATERAL DIREITO, parece aumentar as chances de azia. Os cientistas acreditam que isto esteja relacionado ao aumento do relaxamento do esfíncter esofágico inferior na posição direita, ou possivelmente que a junção gastroesofágica fique acima do nível do ácido gástrico na posição lateral esquerda.

Para ajudar a aliviar os sintomas da azia à noite, tente dormir sobre o seu lado esquerdo, numa posição ligeiramente elevada.

 

(FONTE: Are Lifestyle Measures Effective in Patients With Gastroesophageal Reflux Disease?
http://archinte.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=410292)

Sal de fruta ENO: bicarbonato de sódio, carbonato de sódio, ácido cítricoIndicação: alívio da azia e má digestão. MS: 1.0107.0056.
*em referência a seu mecanismo de ação. Referência bibliográfica Johnson, S.M. E Suralik, J., Practical Gastroenterology, 2009; 33(2):28-32. Eno Tabs: carbonato
de cálcio
 Indicações: alívio rápido da azia, queimação, acidez no estômago e má digestão. MS: 1.0107.0275. NÃO USE ESTE MEDICAMENTO EM CASO
DE DOENÇAS NOS RINS. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO
. CHBR/CHENO/0018/18-MAI/18.